all thanks go to my friend Daniel at https://twitter.com/danielbpc

all thanks go to my friend Daniel at https://twitter.com/danielbpc

[Picture thanks to my old good friend Daniel (@danielbpc)]

It is probably far to the north, or far to the south, facing a blue/gray-ish sea.

 

its colder than i can bear with, way way colder but im just fine with it all. the Ocean spreads wide in front of a beach, made of round soft peebles, and by getting near the water, it turns slowly into a soft layer of fine thin sand.

the sky is clear, the color is blue, and sometimes gray, the night is breathtaking every single day, during the day the soft warm rays of sun touch everything giving a soothing feeling and peaceful light to all it touches. at night the moon shines beautifully with it’s light dancing upon the sea which perfectly mixes itself with the dark starry sky at night, almost as if we were facing infinity, as the stars reflect upon the calm water. the sound of the ocean is soft and enchanting, a endless lullaby of coming and going, in a sound that goes like wish wash, low, constant, and small.

the scenary is mostly white during cold seasons, and gray colored during warm seasons, during spring, you can see plenty spots of color dancing in the background mixing with the melting snow and making for great contrast for the eyes, causing a vibrance of emotion leading to tears of joy, simple because you are there to see it. During summer, the bed of moss, grass and many other small bushes show up around the shores, making it a pleasant thing to simple walk and feel all that mix of greens and reds and orange, sighing is natural and makes you wonder ” why am i so lucky for being alive? “, the Autumn  is made of red, orange, brown and gray tunes all over, the smell of the treeline right behind takes place for a delicious perfume that dances captivating all. 

time goes on, yet… it is like you can live forever there. most likely you can.

at dawn and sunrise the spectacle is just unimaginable as the colors of the rainbow dance in the sky and mix in layers as if the sky was in truth a pastel rainbow of sorts, when dusk, slowly having these tiny lighthouses from the beyond we call stars kindle up in the sky while the moon slowly rises up from the ocean and the rainbow fades into the black.

when sunrise, the darkness breaks into a array of blues and as soon as the first sunrays shine up in the horizons, the colors start to take place as each star simple slowly fade away and the clouds become white as snow.

the whales pass by, peacefully in distance, majestic as kings and queens, singing their songs of many eras, of many tales, of many lyrics and inspirations. their arias blessing the spirit with mystical might.

the bears, lords and ladies of the ground gently rule the life, as if ancient spirits as old as the world, together with the whales, their every steep is like a lesson about life.

wolves roam free, the eagles share the sky with the swallows flying over, the little fish live together with the big fish in harmony.

and just to finish it all with wonders, the gods grace us with dancing lights, the northern lights all over the sky.

no human to see, over a mile and over then over and forever again.

there is just me.

with my gray gondola, gliding as i feel the wind blowing making my hair dance like a flag, together with my long long red ribbon attached.

have you ever thought of suicide? 
have you ever really considerate your own death as a means of ending all the suffering?

remember my place, remember the good times, remember how they usually come without warning, do you really want to not live these again? 

dont you want to see if my place is real or not?

remember that deep inside, you’re just scared and in despair, remember that deep inside, when you get alone in silence only listening to the song of the wind and there is no one around, you can feel you love life.
just focus, remember my place, and pray to the whales and bears to heal your wounded spirit, breath slowly and carefully.

soon you will remember.

remember you love life.

Chapter Nineteen – Invisible Forces

” And how are we supposed to do so, Ariel? “

” This sword of mine is a like your spear Annalot, its a Relic. “

” oh, i… “

The ground started to shake, and the impossible was made possible. In the horizon the tall towers of siege could be seen, catapults and a wide line of soldiers, the siege weapons could not climb that mountain, but somehow they made it there. and with haste, and no warnigns, the battle had begun.
the flaming stones crossing the sky were a ominous sight, as they tried to hit the walls of the fortress, they could feel the rustle inside, and soon Enrich spoke:

” No use stand here, we should regroup. “

The Advance keep on going, but when they could see the banners waving in the sky, something was wrong. Those banners were from the cardinal’s orders, none of them were from the king. The siege weapons were under the king’s orders and no one could send them out, even more, the orders under the cardinal’s hands had no authority to handle those.

” Something is at play. ” Said Enrich. ” This scene shouldnt be happening, were are the banners of the king, i only see the orders from the cardinal but none from the king’s side. “

” Should we ask? ” Annalot asked

” Nay, if we do, we would be murdered, if they were really going to send such advance force we could have crushed the forces inside the fortress like ants. this stinks more than cattle. “

” what do you mean with that Enrich? “

” What do i mean Annalot? I dont even know to be sincere, im just telling you, something is not right. first where are the king’s forces? Remember there were only banners from the king deployed? the cardinal was yet to deploy any of the forces under his hands, not a single order from his were sent since the very begging. Now we are seeing even siege weapons. do you know that siege weaponry cant be sent here? unless someone make some type of contraption to elevate them here. still only the king’s orders can move those around. “

” Better not stick around, judging by the size of the boulders, there are some trebuchet settled nearby, and those do tend to miss the target. ” Ariel says, looking around. ” we better get out of the line of fire, and try sneaking back to the encampment. “

” Bad idea Ariel. ” says Enrich

” do tell Enrich, why? “

” If something is on play, they would kill us. “

” and what if not? “

” … well… “

” see? if we stay we die, if we go, theres a chance we die or not. “

” I preffer to risk. ” Says Annalot.

” Do you really? ” Enrich raises a eyebrow, lifting his hand up to the head height.

” I risked until now, i am yet to die, my injury may be severe, but well, i have this spear in hand so i am not really down, yet. “

” Fine, you two, majority wins. The shit, i cant believe im doing this. “

They went through the flanks of the current siege forces, unexplored by the enemies, probably because of their thinned numbers. The Battle was raging for quite a long time and, from the scenery, it was already determined who was going to win.
Annalot, Enrich and Ariel keep low profile on the way back, even with the advances of the cardinal forces, small skirmishes were seen by them on their way back, they avoided being seen at all costs. with haste it took much less time to get back to the encampment. Annalot commented on the way back, that she was feeling some force into play here too, it would take at least a day or two to get to were they were on foot.

Upon getting back to the encampment, the scene was terrible. Cardinal forces were fighting King’s forces, a total bloodbath was going on.

” Hush! ” said Enrich, ” Get down you fools, dammit, this place. i knew something was on play. “

Annalot started to go deaf, the scene just burned in her eyes, while she was laying down in the ground, seeing all that happening, she heard a voice saying.

” let me guide your blade. “

The voice sounded like the voice of many people together. and the sound echoed hard, clashing with each little corner of her head. always saying the same phrase, in the same tune. let me guide your blade, over and over again. The girl only keep her eyes looking the battle, as it slowly went in slow motion itself. The voice never stopping, until she saw someone spotting their place.
The voice then screamed in her mind ” Let me guide your blade! “

the girl closed her eyes.

the sound slowly started to return to her.

a chill went down her spine.

it took a second only.

she then draw a breath, thinking ” This may be my last breath. “

she took the spear, stood up and yelled:

” Then guide my steel to victory! “

a burst of light emerged from her spear, and with a ghostly voice, words came from annalot’s mouth.

” THEE WHO SHALL STAND AGAINST ME, TALLER YOU ARE NOT THAN MY RAGE, I MAKE MY SPEAR THE SHAFT OF MY BANNER, THY BLOOD THE PAINT OF MY BANNER, AND THY FLESH, THE FABRIC I SHALL DRAW MY STORY.
THE BLACK TITANS OF THE LAST DAYS SHALL NOT ARISE
THE THREAT SHALL FALL BEFORE MY STAND
WHILE I GUIDE THIS BODY TO VICTORY, THE SOUL WITHIN WILL JUDGE WHO FAILS AND WHO DOESN’T. “

Annalot’s eyes became bright red, and she was enveloped by a gust of shining wind, swift as the wind, she dashed with might direct to the soldier who spotted her, yes, her friends were spotted as well, but seeing something weird was going on, they just jumped into the fray as the girl rose to battle.

in a second Annalot closed the gap, sliced the soldier in three huge chunks of meat and advanced to the next, followed by her Ariel summoned the strength of her relic to make illusions of her, Enrich ensured no one would attack by the flanks or by the rear.

Each swirling motion Annalot drew with her spear was rich in elegance. her archs were perfect, her circles masterwork. Blood spit by her were like perfect pieces of art. no one had enough time to react her advances, soon she had fall more than a dozen warriors and mercenaries.

minutes of slaughter passed by, the time all the forces from the cardinal were just piles of bodies scattered on the ground, Annalot simply let of the spear. The spear fell blunt on the ground making a loud metallic sound, the wind around her dissipated, her eyes came back to normal, but instead of passing away, she just stood there, with a determinate face. She was conscious the entire episode.

” The spear. ” She said. ” Its alive, i dont know how is it, but it is alive. “

Ariel approached her and said:

” Annalot, this spear is, as i told you, a relic. Its an ancient weapon used by the legendary gods themselves. supposedly, according to the myth of the last days, those were made and used only to fight the threat of those days. The Black Angels. These weapons people nowdays call simply Relic have great power, beyond our understanding, they use something we can not anymore, magic itself. It fuels the power inside the weapons. What happened to you might be some kind of mechanism, triggered by chance. Everything about these weapons happen by chance. No one really knows how to trigger anything until it triggers itself. And this is what we know so far about those weapons. “

” we still have a battle to fight though… ” Said Enrich, taking the dust out.

” well, we do have a force gathered here. what do you think? “

Soon a man in heavy armor came walking slowly, a sword sheathed, his helm upon his head, he seemed to be a veteran, face marked by scars and bruised by the battle, he looked to be as old as a man in his 40.

” Pardon me, and thanks for coming to our aid… ” he soon recognized Ariel and Enrich. ” Oh goddess you two ARE alive! i cant believe it! “

” General Einartoff! ” Ariel and Enrich said at same time saluting him in oficial fashion, he too responded in the same way. then picked from here

” the performance of this little missy in the battlefield here was amazing, surely work of a master, she ended the fight in just a bunch of minutes. who is she? “

” Ah, her name is Annalot, just joined the ranks, though it was not her feat the defeat of our enemies, she is quite skilled indeed. “

” You are going to tell me, ” Einartoff said. ” It was her spear work? “

” Precisely sir. “

” I can buy that. now i have a question for her, im sorry for the rush, i truly am, but we have dire news, one, our king has been murdered, judging by what is going on you already know who did it. and second, there are more coming after us, looks like we dont have a capital to go back to anymore. ” he stopped, looked to Annalot and started with the brief set of questions: ” Girl, my first question is, can you do what you just did again? “

” I believe i can. “

” Will it harm your allies? is there a chance? “

” No sir, there is no chance that will happen, the spear only fights if i intend it to, and it will only fall the ones i judge unworthy. “

” i see… perhaps, with the number we have, and the knights we have specially, perhaps we have a chance of escaping this alive. “

” were are we going then sir? ” Said enrich.

” Retreat to our last resort. To our kingdom, the crown is not the jewel, or the one who governs the land, neither is it blood. It is the fire that burns within the unit. Our kingdom is a kingdom of knights, found for knights, governed by knights, for knights. every single person in our kingdom is knight blood if you trail their family down. Murdering the king is not enough, as longs as royal knights stand alive. that is why, since the first lineage of kings, we had a fall back plan, retreat to the Rising Ashes Fort. “

This content is password protected. To view it please enter your password below:

Cold, but the sun is bright
Shake, trembling like a sapling
Stand, Stand again.

what is happening? i cant sit!
im forgetting to breath…
a short day, something is feeding of me.

i feel sick, i feel cold, its summer, and im alright.
its time to eat, im not hungry
i wake up, i wanna puke out.

i know that everything feels alright,
i can recognize the stimuli.

but thats all that it is.
stimuli.

Thousand colors of white fading…
Fading far, far off where the dream meets
To the white mystical land of pure gleam

The wind lifts the chilling snow…
And the bliss never met so fair
rests under the warmth of sun.

Sink now, let yourself be free.
Theres no real boundaries here…
Theres just white to see
over over until the frozen sea
where the silver sun never goes to sleep.

 

turning, turning, turning.
covered by the sheets.
wind is blowing, he says:
get up, its not time to sleep.
far away, can you listen?
theres a feeble sound.
the horns, they are calling.
from across the distance within.

can you feel the cold
from the peaks?
the scent of wood and ale and food
that you feel within.

can you hear? the horns?
your tyrian friends, they call.

closing days of winter go
as winds of a era blow
and time’s pace tells the flow
spring colors the world

the heat slowly awakening
the life in this fair morning
and flowers bloom, and birds sing
he is back, the sun, our king.

ah wind classy soaring up the sky
i hear your swirling voice going so high
high beyond my sight and cloud

the hand tries to reach out to the moon
goes as far as it can
to touch the clouds
yet it grasps only thin air

oh dear god, why it is so cold?
why is it, so harsh here
make me float in soap
bubbles of magical air
moonlight air

 

it is a fragment, i lost all the rest of the poem, couldn’t finish it due to having other duties to attend to at the given time. never happened before, but…

 

it doesn’t feels alright.

writting week2

Foi então que eu começei a minha adaptação ao mundo humano. Sabe, a vida na terra é cheia de defeitos, este é sem duvida um lugar ruim de viver mesmo. Mas isso não impede que ninguem tente fazer , do seu jeito, esse lugar um lugar melhor. Na verdade eu descobri uma coisa sobre os terráqueos, eu descobri que todos eles não conseguem encarar a vida de frente o tempo todo, eu senti na pele tambem que não dá! Doi demais, a vida é uma droga, eles fazem a vida deles ser uma droga ,mas ao mesmo tempo eles procuram fazer a vida deles mesmos maravilhosa. Eu descobri tambem que a felicidade e a paz de um terráqueo é contagiante, enquanto em Luna todos somos harmonicos, sempre em paz e satisfeitos, fazendo apenas oque nós queremos, quando queremos ou quando precisamos, sendo fazer apenas oque nós precisamos  a nossa noção de tarefas diarias, e depois só oque temos vontade de fazer, aqui apesar da ordem não ser muito diferente, eles pegam muito pesado com a produção, que sempre precisa dar excedentes.

Mas não é disso que eu vou falar agora, agora, eu vou falar de como eu aprendi a cantar, cantar foi a chave para minha sobrevicencia na terra.

Starsinger – Segunda Canção: Alkaid’s Theme

Depois de algum tempo, três horas segundo o Gabriel, ele me disse algo que pra min que não tinha o mesmo significado pra min. Mas mesmo assim eu o segui, ele me disse ” Vamos para casa. “

Eu não tinha para aonde ir, as ruas não tinham um bom aspecto, eu sentia que eram perigosas, não sabia, não sabia de nada mas, eu sentia isso, edificios enormes, as pessoas todas sumindo das ruas rapidamente, o silencio tomando conta, um ar pesado pairando no ar, era tudo horrivel para min suportar. Eu fui com o Gabriel até sua casa, um pequeno apartamento de um unico comodo mais um banheiro, ele o chamava de quarto, apesar de pequeno era bem limpo, e bem claro tambem. Com paredes verde oliva com listras verde oliva mais claro, se revezando em larguras diferentes. ele possuia uma cama, um balcão aonde se encontravam os utensilios de cozinha dele, uma pequena prateleira com alguns livros e nada mais. parecia vazio, mas era um vazio aconchegante, não haviam janelas, mas no lugar delas, havia uma porta de vidro com uma sacada, e isto iluminava o seu apartamento perfeitamente, eu aprendi uma palavra na terra, e, gosto de usar ela pra distinguir essa sensação, Magica, é como eu descrevo a sensação que o apartamento do Gabriel me passava.

Eu consegui dormir naquela noite sim. Mesmo estando longe de casa, mesmo depois daquele dia louco, eu dormi, Dormi bem até. Na manhã seguinte fui despertada pelo som do violão, e logo me lembrei de tudo, dentro de min uma emoção pesada de tristeza e medo surgiu. Eu pensei por um segundo que aquilo tudo havia sido um terrivel pesadelo, mas não foi. Bizarro como um simples segundo, seguido por um choque, pode te destruir tão rapidamente, tão ferozmente, foi ai que o Gabriel se virou rapidamente e me perguntou:

” Porque está chorando Alkaid? “

Porque eu estava chorando? eu simplesmente respondi ” Acho que vou acabar morrendo. “

” Porque acha isso? “

” Porque não sei viver nesse mundo de vocês. “

” Você nem tentou ainda Alkaid. ” Ele disse isso, com um tom imparcial. ” Venha, você disse que queria aprender a cantar certo? Talvez cantando você consiga viver aqui. Não desista ainda Alkaid! O verdadeiro desafio da sua vida ainda nem começou. ” E com o final dessa frase, ele começou a puxar uma melodia.

Ah, o som daquela melodia parecia soar nos meus ouvidos como mágica, era tranquila e feliz, aconchegante e relaxante, havia algo nela que me fazia me mover sem perceber de uma maneira agradavel, e lentamente levantava meu espirito, e logo eu conseguia respirar sem sentir dor alguma, e então ele parou e me disse:

” Agora quero que você dê seu melhor para me acompanhar, só quero que tente imitar o som que eu faço com o violão ok? “

” Não entendi, oque eu tenho que fazer? ” Eu perguntei a ele, toda perdida naquilo tudo.

” Sabe oque é cantarolar? “

” Acho que não. “

” Cantarolar… ” ele para, pensa, coçando sua cabeça enquanto olha para algum ponto no teto sobre minha cabeça, ” Cantarolar é quando você faz assim. ” E ele solta uma pequena sequencia de sons da mesma canção, e as acompanha fazendo um som mais ou menos assim: ” humHUMhumHUMHUMhumHUMhumHUMHUM… ” e depois diz ” Agora é a sua vez de tentar igual. ” ele ajeitou o violão em seu colo, contou até 3 e soltou a mesma sequencia, que ele chamava de acordes.
Eu fiquei parada não sabia ainda oque fazer, foi então que ele disse ” Vamos Alkaid, não precisa ser timida, só tem eu aqui. “

Me deixei levar pela musica, e logo eu estava cantarolando junto com a canção ” humHumhumHUMHUMhumHumhumHUMHum “

” Isso. ” Ele olhou pra min e sorriu, ” Mas ainda não está certo, aprendeu a cantarolar, mas ainda não sabe como controlar as notas musicais da sua voz. “

” Como assim? ” Eu ainda não tinha noção de nada sobre musica, em Luna não se cantava.

” Ah, vamos dar um jeito nisso, não se espante, é que existem notas musicais definindo os sons que produzimos, elas estão presentes em tudo tudo que faz som, as vezes, não é porque não dá pra ouvir que não tem som sabe? Existem mais sons doque os seres humanos são capazes de ouvir. “

Eu ainda me lembro o como fiquei confusa naquele momento, Mas depois de ser explicada sobre as sete notas musicais e aprender o quão importante elas são, ainda lembro mais ou menos como foi:

Ele tocava uma nota com o violão, e me dizia o nome da mesma, assim: ” Olha Alkaid, isto aqui se chama dó, é a primeira nota da escala musical tente reproduzir comigo, vamos, vou te dar um dó e você tenta fazer igual com sua voz tá? “

” Tá bem. ” eu respondia devolta, não tinha ideia doque tinha que fazer, mas tentava mesmo assim. E errava, mas ele gentilmente me corrigia me dando um exemplo com a propria voz dele, e ai sim eu conseguia reproduzir, depois ele me fazia igualar a mesma nota com o violão, e assim me pedia para praticar a mesma nota com ele algumas vezes.

eu começei a me divertir tentando aprender a cantar, passamos a manhã inteira praticando, até que o Gabriel decidiu que eu ja havia aprendido o suficiente. Saimos então para trabalhar, ele tocando e eu apenas tentava o acompanhar cantarolando em voz alta, ele ria de mim quando eu errava uma nota, ria ainda mais quando eu percebia que havia errado, nossa como eu ficava com vergonha, sentia meu rosto esquentar, mas ele sempre me incentivava dizendo:

” Mas todos erram, não fique com vergonha só porque errou uma notinha besta, e mesmo que erre uma canção inteira, continue cantando Alkaid. seu estilo pode não ser o que as pessoas acham correto, mas lembre-se, se é seu estilo, não pode ser o estilo correto, porque ele é só seu e de mais ninguem. “

Enquanto o dia passava, e mudavamos de lugar, a tarde ia se esvaindo, e eu apreciando o céu que mudava, o céu da terra é diferente do céu de luna, em luna não temos o céu que muda de cor, sempre é oque eles aqui chaman de noite, eu ia observando as cores enquanto me deixava carregar pelas melodias, pelas ruas, pelas formas, pelas luzes pouco a pouco o mundo não doia, eu me divertia com a pequena viagem pela cidade, enquanto iamos espalhando esses sons.

Era bom ver os rostos cansados mudando um pouco o semblante, se animando, era bom ver um trabalhador cansado, com seus ombros caidos, olhando para o chão, passar por nós, olhando diretamente, suspirar e assim, levantar seus ombros olhar para frente. Ele parecia ter se curado de algum mal que o aflingia.

Era bom quando as pessoas paravam, com cara de entediadas e escutavam as canções até o fim, no fim os olhos brilhavam, eu podia ver pequenas lágriams em seus cantos, mas eram como pequenas estrelas, e eles alegremente jogavam algum dinheiro sobre a capa do violão.

Ainda tomada por uma grande melancolia, sim, eu ainda tinha  dor, mas era tão pouca agora, eu quase podia me sentir plena denovo, minha cabeça mais leve, uma força correndo pelo meu corpo, devagar, como se alguma coisa adormecida a muito tempo no fundo da minha alma tivesse se recuperado e começado a tomar conta de min.

E então, perto do final do dia o Gabriel olhou para min e sorriu, eu preciso comentar aqui. Nunca vi ninguem nesse planeta sorrir tanto quanto ele, por mais que a vida dele não fosse tomada por luxos, por menor que fosse o pequeno apartamento dele, por mais escassas que fossem suas posses, e por mais exaustivo fosse seu dia, andando pelas ruas e tocando diversas canções, O Gabriel tinha uma aura de satisfação e gloria que eu nunca vi em ser humano nenhum.

Ele ama a vida. A vida que ele tem acima de tudo, não acho que ele seria assim se não fosse pelo seu maior companheiro, o violão. Eles me ensinaram a ser como eu sou agora. e…

…Meu sorriso se deve a eles.

writting week2

writting week2

Eu estou sempre aqui, sempre neste mesmo momento, quando a minha casa está passando por cima da grande area azul dessa outra casa, eu sempre estou aqui, sentada nessa cratera observando. Poxa, claro que eu ja vi as outras partes, vejo tantas cores vindo de todos os lados de fora da minha casa, mas aqui tudo é branco e cinzento. Branco, Cinza, depois de alguns anos isso cansa sabe? começa a se tornar muito chato, afeta nosso humor.

Ouvi dizer que tem gente como nós lá naquela casa abaixo da minha, me pergunto como é que é viver entre tanta cor… Os outros dizem que lá é tão ruim, tão ruim, que eles ja vieram aqui.
É, eu vi quando eles vieram, faz algum tempo, eles enfiaram aquele espeto na mamãe, o espeto tem cores, tem a cor que eu gosto de olhar na casa de baixo, tem a cor da coisa que sai quando a gente se machuca, e tem a cor que nos cerca ao redor, a cor da minha casa.
Eles não tem tanto branco como aqui tem, mas em compensação, eles tem muitas cores lá embaixo.

Ah, eu queria ir lá embaixo, mas os outros dizem que é ruim.

” Alkaid! Os pedregulhos! “

” hã? “

Ah! tarde demais, ele ja está perto demais de min!
Ai! Nossa como isso dói, faz parar! Espera! Espera! não! eu quero voltar pra casa! Para! Ah não! Para!
Eu tenho que fechar os olhos, não sei oque vai acontecer e eu francamente tenho muito medo, muito medo, vi minha casa ficando distante em pouquissimo tempo, urg, está ficando mais veloz! oque é isso? isto é?

” Vento, vento é quando o ar se move. ” Oque? de onde veio isso? mas então essa sensação de algo se batendo contra meu corpo? isso tem nome? ” Ih olha! uma estrela cadente! faz um pedido! ” Estrela oque? aonde? o… oh, espera… ” Mais um meteorito entrando na nossa atmosfera, essa semana tem tido poucos, ainda por cima desses que conseguem criar algum sinal luminoso. ” Meteorito? oh, agora sei! o nome dos pedregulhos é meteorito tambem! Mas… porque isto está acontecendo, oque são essas vozes na minha cabeça? Oque diabos tá acontecendo? É melhor eu abrir os…

” AARG! ” melhor hora pra abrir os olhos, logo na hora da dor… nossa, minha cabeça tá leve… eu…

” ih caramba, alguem foi acertado pelo meteorito! ” quem? quem foi acertado pelo meteorito?

” nossa, como ela é gatinha. espero que fique bem. ” ga oque? doque você tá falando o…

” ai senhor! por favor poupe a vida desta menina! tão jovem, não permita que ela pereça. ” vocês estão falando comigo? é isso?

” vai ficar tudo bem vai ficar tu… “

” ai… ” eu abro os olhos, nossa, quanta gente, e… ai caramba! Quanta cor! É cor pra todo lado, e, tem essa sensação nova e diferente, será que isso é o ar? espera, e esses sons? tem som pra todo lado! oque é… ” Caramba aonde eu estou? ” eu digo

” Não se lembra? Sabe qual é o seu nome? ” o rapaz me pergunta, tá sorrindo, eu sabia que cores deixam as pessoas mais felizes, fazem elas serem mais diferentes.

” Meu nome? Ah, meu nome é Alkaid moço. ” eu respondo

” De onde você é Alkaid? ” ele pergunta denovo

” Luna. “

” Luna? Aonde fica isso. ” ele pergunta pra min, confuso.

Eu avisto a minha casa lá encima e aponto

” hã? não entendi. ” o rapaz diz com uma cara meio preocupada.

” de lá, tá vendo aquela grande esfera branca? eu vim de lá. “

” ah, tá, quer dizer que você veio da lua? ” ele me olha com uma cara meio sorridente… tem algo estranho nesse sorriso ai.

” ah vocês chaman a Luna de Lua? É bem parecido, mas eu prefiro Luna. “

” Ah certo… ” ele continua me olhando de um jeito estranho, parece que ele vai gargalhar… acho que contei alguma piada, bom, pelo menos caiu a ficha de aonde eu estou, mas eu ainda não sei o nome do lugar. Agora ele e outro rapaz estão me erguer nesse troço desconfortavel… ” Maca ” ah, obrigada.

” Essa garota ai tá maluquinha, acho que a pancada fui muito mais forte que pareceu. “

” Ô eu to maluca não! ” eu respondo devolta.

” Hã? ninguem disse que você está maluca. ” ele responde olhando pra min surpreso. ” Nossa ela parece que pode ler a mente dos outros. ” ele adiciona, sem abrir a boca.

espera, ele não abriu a boca pra falar o resto. Caramba! eu posso ler mentes!

E assim foram os meus ultimos momentos em Luna, e meus primeiros momentos na Terra. Depois de passar algumas horas no hospital, tive tempo suficiente pra aprender bastante coisa sobre a cultura da Terra. Sim, eles chaman a casa azul e branca de terra, o azul aparentemente é oque eles chaman de água, só não entendi bem porque toda água que eu via era transparente e não azul, na verdade existem águas de várias cores, e pra várias coisas, eles tem água pra tudo quanto é coisa. mas a minha historia não é sobre como eu vim parar na terra nem sobre as águas que eles tem aqui. A minha historia mesmo, é sobre como que eu consegui fazer o meu lugar aqui na terra. E é ela que eu vou contar agora.

Starsinger – Primeira Canção: Feel so Moon

Quando saí do hospital, primeiro entrei em choque, quanto movimento, quanto barulho, quanto vento, quanta cor, quantas luzes, e eu podia ver minha casa daqui. Eu pensei em voltar pra casa, eu não podia voltar pra casa. Pois é, não tinha como eu voltar pra casa, senti uma agonia profunda, me senti perdida, eu não sabia oque fazer, era tudo muito novo, tudo muito diferente e… Eu tinha uma coisa pra resolver, eu tinha a conta do hospital, que, precisava ser paga com dinheiro. Só que até ali eu não tinha visto oque era dinheiro, só aprendi duas coisas sobre ele, que é necessario aqui na terra, qualquer coisa que você precise fazer você precisa dar dinheiro antes, menos as que são de graça. E pra conseguir dinheiro, você precisa trabalhar, trabalhar é igual a fazer as tarefas do dia lá em Luna, só que na maioria das vezes ninguem gosta doque faz e isso deixa as pessoas cheias de coisas dificeis na cabeça, é bastante anguistiante, bastante.

Pra não falar dos olhares estranhos que eu recebi, por causa da minha roupa, que eles tiveram a doçura de lavar e secar e deixar limpinha, lavar é limpar a roupa, mas com água e outros produtos. estranho, minha roupa estava até mais confortavel depois de lavar, gosto dessa historia de lavar a roupa.

Mas ainda tinha o problema de como conseguir dinheiro, nossa, andei por ai e notei que, tinha um moço produzindo sons com um objeto diferente, era de madeira, tinha uma longa prancha com fios esticados sobre ela até um corpo maior com um buraco oco no meio. O nome do objeto era ” Violão. ” e a musica era agradavel, sabe… eu sentei ali, e a musica me deixava mais tranquila, eu me deleitei ali até que o moço parou e me perguntou, ” Você está gostando? “

” Sim, muito. ” eu respondi.

” É, você parece estar um pouco mal, Algo de ruim aconteceu? ” ele me perguntou sorrindo, um sorriso bonito e cheio de ternura, era morno e gentil.

” Quando eu contei aos médicos oque aconteceu, eles me chamaram de maluca. ” eu respondo, pela primeira vez eu começo a sentir uma sensação ruim, meus olhos estavam ardendo um pouco, algo começava a sair deles.

” Porque está chorando? ” ele pergunta, agora com uma cara de preocupação.

” Eu quero ir pra casa moço. ” eu estava, como o moço havia dito, chorando, e muito.

” Não sabe como ir pra casa? ” ele sorri um pouco, acho que é assim que as pessoas tentam consolar as outras, eu passei por muita coisa forte naquele dia…

” Não moço, não dá pra eu voltar pra casa, é impossivel. não tem estrada que chegue lá. ” Limpando as lágrimas dos meus olhos, mas nem adiantava, eram tantas as lágrimas que saiam uma após a outra que não dava pra enxugar.

” Você mora no interior? é isso? ” Ele me perguntou, meio confuso, conseguia sentir a preocupação dele, e ela me aliviava.

” Não, eu moro bem pra fora, num exterior muito muito distante. ” Eu respondi, me sentando do lado dele e olhando pra a Luna.

” Exterior muito muito distante? você mora no Japão? ” Eu nem sabia oque era japão, mas com certeza não era tão longe quanto Luna, e com certeza bem mais acessivel.

” Não moço, moro mais distante que isso. “

” Oque pode ser mais distante daqui que o japão? “

” Moço, não ria de min, por favor nem pense que sou maluca, oque eu falo é verdade, eu sei que me visto esquisito, e não pareço que sou daqui, mas eu realmente não sou daqui, na verdade eu não tenho muito parecido com ninguem, eu sou mesmo diferente, falo sério. Moço, eu vim da lua. ” E eu olhei pra o chão, desanimada, me senti sem esperanças, algo me enforcava mas não tinha mão nenhuma, e havia uma dor no peito, estrangulando tudo que tem dentro dele, terrivel, sentimento terrivel. Mas o moço então soltou um acorde e me cantou uma canção, ela era mais ou menos assim:

No céu a cor, que vai a mudar
O dia vem ao seu fim chegar
E com todo seu esplendor
Vem a brilhar
De prata a luz
o mundo vem banhar.
Ah, o Luar
Sua luz, me faz cantar
E a tristeza, e a dor
De min tirar.

E o olhar
De cima, a me vigiar
Faça de estrelas
Meu rio
se transformar.

” Moço, qual o nome disso que você fez agora? “eu perguntei.

” Cantar. ” ele me respondeu, rindo, ele gostava de cantar, gostava muito mesmo, e eu gostei daquilo, senti muita vontade de aprender, eu queria poder fazer o mesmo que ele fez comigo, talvez, eu pudesse ajudar as pessoas que sofressem dos mesmos sentimentos que eu, se eu conseguisse fazer igual a ele.

” Você me ensina?  ” eu pedi, limpando oque havia sobrado das minhas lágrimas.

” Claro que ensino, Meu nome é Gabriel Robin. ” ele disse, extendendo a mão, eu não sabia oque fazer, mas, instintivamente eu segurei a mão dele e disse:

” Eu me chamo Alkaid. “

” É um prazer lhe conheçer, Alkaid da lua. “

writting week2

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 130 other followers